O Velhote do Penedo

O Velhote do Penedo
O Velho Professor do Penedo em plena labuta! Vida difícil, esta!

terça-feira, 7 de janeiro de 2014

E as autoridades, onde estão?


 

Jornal do Velhote do Penedo

Terça-feira, 8 de dezembro de 2014 – Nº 17.

Um jornal a serviço de ideias desabusadas

Violência nos presídios e outros assuntos pouco dignos

Um dos orgulhos do Velhote do Penedo é ter orientado uma dissertação de mestrado sobre o sistema penitenciário brasileiro. Orgulho por vários motivos: a qualidade do trabalho, que mereceu “menção honrosa”, a defesa da mestranda (vamos chamá-la de Maria, só para facilitar) e o nível da bibliografia que ela consultou. Além dos referenciais teóricos obtidos nos campos da sociologia e da ciência política, Maria leu e estudou “Estação Carandiru”, de Drauzio Varella e “Memórias do cárcere”, de Graciliano Ramos, e deles soube recolher interessantes conclusões. Uma dissertação excelente, que me veio à lembrança diante do noticiário (escabroso!) sobre o Complexo Penitenciário de Pedrinhas, em São Luís, Maranhão, feudo dos Sarney.

Uma das conclusões da dissertação de Maria era óbvia: as penitenciárias brasileiras são dominadas por facções criminosas e se transformaram em verdadeiras universidades do crime. Pedrinhas, contudo, pelo que se lê nos jornais, transformou-se numa unidade de excelência no crime e na hediondez: assassinatos brutais de presos, estupro de familiares (esposas, irmãs, filhas) de presos nos dias de visita (preço que garante a vida do condenado), presença de mulheres (presas) nos pavilhões dos homens, doenças (AIDS, doenças venéreas, tuberculose, entre outras doenças transmissíveis campeiam).  Um horror.

Tudo isso, é claro, sob o olhar desinteressado das autoridades estaduais, mais preocupados em desfrutar das delicias do poder e das mesas fartas dos palácios. (“Tia” Dilma: cuidado, a posteridade não a perdoará por sua aliança com o Sarney. Não falo do Lula porque ele está se lixando para a posteridade).

Ontem, a governadora Roseana, após um período de férias, disse que o relatório do Conselho Nacional de Justiça sobre as condições de Pedrinhas só tem “inverdades” e “fraudes grosseiras”. Há uns dois meses, quando os mensaleiros estavam em vias de serem presos, o ministro da Justiça disse que preferiria morrer a ser encarcerado nos presídios brasileiros. Roseana deve achar Pedrinhas uma maravilha, lugar de presos comuns, pobres, negros, mulatos e mestiços. Ela se esqueceu de dizer isso na sua entrevista coletiva.

Este ano, mais uma vez, tivemos chuvas, mortes, famílias que perderam tudo. “Tia” Dilma interrompeu suas férias, sobrevoou a região atingida e disse que vai encaminhar aos prefeitos um cartão “para pequenas despesas”. Dito isso, voltou às praias baianas, onde foi fotografada (de longe) de maiô peça única, preto e de boné branco.

O presidente da FIFA deu entrevista e disse que as obras para a Copa do Mundo no Brasil estão atrasadas. Estão – e muito. “Tia” Dilma respondeu que o Brasil vai fazer “a Copa das Copas” e que o “brasileiro saberá receber os turistas”.

E pensar que o Brasil poderia ser uma grande nação!
---------------------------------------------------------------------------
 
 
"Sonho e saudade", de Tito Madi, uma das canções que o Velhote do Penedo selecionou no programa "Memória Musical", da Rádio Nacional FM.
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário