Por do sol em Penedo

Por do sol em Penedo

segunda-feira, 21 de novembro de 2016

"Direitização" ou fracasso da esquerda


O planeta caminha rumo à “direitização”? É possível que sim, mas a direitização do mundo é produto espúrio do fracasso da esquerda.

Esta me parece ser o mais importante: o fracasso da esquerda – e este fracasso decorre de vários fatores: o envelhecimento do discurso de esquerda; inadaptação a um mundo complexo, dominado pela tecnologia, pela internet e pelas redes sociais; incapacidade de levar à prática suas propostas de justiça social e, não menos importante, a corrupção, que em certos casos e alguns países, como o Brasil, tornou-se endêmica e sistêmica. O pior é que a esquerda nada faz para se passar a limpo. Fica repetindo a mesma cantilena.

Cá no Brasil, a esquerda não percebeu que os 54 milhões de votos da sua candidata foram direcionados ao seu discurso eleitoral, que fechadas as urnas, mostrou-se ser um baita estelionato. Tudo o que ela atribuia ao seu adversário, foi assumido por ela no dia seguinte às eleições. Na maior cara de pau. Se a candidata do PT recebeu 54 milhões de votos, em 2014, o PT só obteve 6,8 milhões, em 2016. O PT perdeu mais de 85% dos votos que obtivera dois anos antes. Talvez seja caso único no mundo.

Em 2014, não só a militância, os simpatizantes e a classe operária votou em Dilma, mas a classe média e setores da elite. Em 2016, o PT só recebeu votos da militância e dos simpatizantes. Danou-se.

A verdade é que o PT criou um problema sério, talvez intransponível, para a esquerda brasileira, para o pensamento de esquerda no Brasil. Hoje, a sociedade brasileira – e não vamos acusá-la de ser intrinsicamente de direita – vota em candidatos que a esquerda acusa de ser de direita. Bem, alguns são, mas não todos, mas a esquerda é incapaz de perceber nuances: a esquerda só trabalha com juízos extremos, tipo direita e esquerda, preto ou branco. E, por isso, está perdendo (se é que não já perdeu) o bonde da história. A esquerda precisa modernizar-se, atualizar seu discurso, estudar o Brasil, o mundo. Tenho escrito muito a esse respeito.
Se nos anos 1950, alguém perguntasse ao Velhote do Penedo como seria o Brasil em 2016, certamente ele seria bem diferente do que é hoje. Naquele tempo, o Velhote era movido pela esperança.

sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Dilma, Cabral, Pezão: destruiram o Brasil e o Rio


Estava sozinho em Paris tomando meu café da manhã quando veio falar comigo um sujeito, brasileiro, pernambucano, baixo, magro, cabeçudo, uns 55 anos. Estava com a sua “senhôra”. Sem que eu os convidasse, sentaram-me comigo - e ele pôs-se a falar: estava entusiasmadíssimo com o pré-sal – e repetiu o discurso ufano-mentiroso do Lula a respeito da nossa redenção pelo petróleo. Ouvi, falei pouco, mas alertei, com enfado: “Não será exatamente assim”. Despedi-me – e me mandei.

A dupla Cabral-Pezão também acreditou no discurso petista – e se deu mal. Se deu mal porque, como Dilma, a dupla fez uma péssima gestão, irresponsável em todos os aspectos. Contando o ovo no fiofó da galinha, como dizia minha avó, além do inchaço da máquina (a companheirada se fartou!), distribuíram desonerações adoidado, foram perdulários, corruptos, transformaram o Rio numa verdadeira zona de quinta categoria. O mesmo – exatamente o mesmo - que a Dilma fez com o Brasil.

Pezão, na TV, parece uma donzela que, de repente, acordou e percebeu que perdera a virgindade: comenta a crise do Rio como se ele (e o Cabral) nada tivesse a ver com ela, como se tivesse sido enganado por um sedutor insidioso, cujo nome se recusa a dizer. Propõe, como solução da sua própria incompetência e irresponsabilidade, um pacote de medidas indecente, imoral, estúpido, nojento, sórdido, salafrário, pouco se lixando para os servidores do estado, os aposentados e os pensionistas do estado. Só falta dizer: eu quero resolver os problemas, mas a malta não permite.

Vários estados estão na mesma situação do Rio – e todos eles assim estão porque seguiram o breviário petista de governança: o estado tudo pode, inclusive gastar acima do que arrecada, pois, como dizia o velho samba, “se o Brás é o tesoureiro/a gente acerta no final”.

A esquerda pré-histórica brasileira não sabe o que dizer ou propor, apesar do fato de que grande parte dela é responsável pela situação do Brasil, do Rio e dos demais estados - que, mais cedo ou mais tarde, irão explodir. Estamos, todos nós, agarrados nas tábuas de um naufrágio causado por comandantes que, diante de um iceberg, resolveram encará-lo de frente. Alguns náufragos sugerem que as tábuas sejam agrupadas, um modo de salvar todo mundo, mas a esquerda pré-diluviana limita-se a repetir os slogans, os clichês – e promover a baderna de sempre.

Aqui, em Brasília, motoristas e cobradores entraram de greve contra a PEC dos gastos, a PEC do ensino médio e por um aumento de não sei quantos por cento. No Brasil, a CUT age assim, como os movimentos dos sem teto e dos sem terra. Essa turma apoiou Dilma e os governadores dos estados que hoje estão sufocados, à míngua. Defenderam a tragédia e a hecatombe como se fosse o melhor dos mundos – e hoje atuam como se não tivessem a menor responsabilidade pelo buraco em que estamos enfiados. A propósito: de que vivem Boulos e Stédile?

Falei da greve em Brasília – e aproveito para contar um fato pessoal: minha faxineira e minha fisioterapeuta (estou com dores na coluna) moram em Goiás, em municípios goianos que cercam Brasília. Dependem do transporte coletivo para chegar ao trabalho e voltar para casa. Estavam desesperadas. Não conheço em Brasília um só petista (todos de classe média) que não tenha carro próprio – e andem de ônibus. Mas todos eles estão aplaudindo a greve dos “companheiros motoristas e cobradores”.