O Velhote do Penedo

O Velhote do Penedo
O Velho Professor do Penedo em plena labuta! Vida difícil, esta!

terça-feira, 29 de outubro de 2013

Uma polícia que mata


 

Jornal do Velhote do Penedo

Terça-feira, 28 de outubro de 2013 - Número 12

Um jornal a serviço de ideias desabusadas

Explosões de ódio

No anoitecer do dia 28 de março de 1968, os estudantes que se reuniam no Calabouço, restaurante estudantil situado próximo ao Aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro, foram surpreendidos por uma invasão de policiais militares, armados de escopetas. Acuados, aos estudantes só restava lançar pratos, talheres, pedras e paus nos megalhas e gritar palavras de ordem contra a violência que apenas começava. De repente, um tiro acertou o peito do estudante Edson Luis Souto, que morreu na hora. Edson Luís tinha 17 anos.

Esta semana, na região de Jaçanã, na Grande São Paulo, quarenta e cinco anos depois da morte de Edson Luiz, um estudante (tinha também 17 anos) morreu ao ser alvejado por um balaço desferido por um milico. Os meios de comunicação pouco falaram do fato: não divulgaram o nome do jovem, não mostraram cenas do seu enterro, não descreveram a sua vida. Nada. Apenas disseram que, segundo porta-voz da PM, o tiro que matou o estudante foi um lamentável acidente.

Talvez essa seja a diferença entre ditadura e democracia: na primeira, a morte de um estudante passa em brancas nuvens; na democracia, a morte de um estudante merece, pelo menos, uma explicação idiota.

A verdade é que os comentaristas e narradores das TV Globo e GloboNews limitaram-se a exibir as cenas da reação popular: quebra-quebras, saques de lojas e caminhões, utilizando a linguagem que o boletim interno das duas emissoras exige que eles utilizem: “vândalos”, “delinquentes” e “baderneiros”. Quando Edson Luís foi assassinado, a TV Globo sequer deu notícia do fato. A Globo e a ditadura eram assim, assim, ó!

O que a imprensa televisiva não percebe é que a população brasileira, principalmente a do Rio de Janeiro e São Paulo, está explodindo diante da politicagem que condena o Brasil a ser sempre um “gigante deitado” ou, na melhor das hipóteses, “um país do futuro”. As cenas mostradas pela televisão na região de Jaçanã são evidentes: os ditos “baderneiros” eram gente pobre, provavelmente desempregada, sem escolas, sem hospitais, obrigados a utilizar transportes coletivos que não valem nada. O próprio jovem que foi assassinado pela polícia acordava todos os dias às quatro e meia da manhã, trabalhava numa lanchonete e não estudava por falta de tempo. Não  tinha entrada na polícia. Os “quebra-quebras” são manifestações de ódio (principalmente) dos jovens alijados de uma sociedade onde poucos, pouquíssimos, podem usufruir de bens e mercadorias. São jovens muito pobres, que vivem numa sociedade que estimula o consumo, mas que não lhes permite o consumo mínimo.

A sociedade brasileira não está sabendo lidar com o problema das manifestações e da violência que explode diariamente nas ruas das cidades brasileiras. Contra tudo isso, temos governos inoperantes, demagógicos, incapazes de enfrentar os graves problemas sociais. O PT se sente reconfortado com a bolsa família e, agora, com a privatização do pré-sal. Em junho, quando das primeiras manifestações, Dilma, Renan, governadores e prefeitos prometeram reformas, ações, decisões, pareciam dizer: agora, a coisa vai! Não foi. Continuamos atolados na nossa inércia e na crueldade ética, moral e política dos governantes e políticos brasileiros.

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Democracia repressiva


 

Jornal do Velhote do Penedo

Quarta-feira, 23 de outubro de 2013 - Número 11

Um jornal a serviço de ideias desabusadas

Ditadura silenciosa

A violência da Polícia Militar é algo que se atesta diariamente, bastando a leitura dos jornais. Recentemente, tivemos o caso do Amarildo, um trabalhador preso por militares da UPP (Unidade de Polícia Pacificadora) da favela da Rocinha – e assassinado, após sofrer sessões de tortura. Mais de vinte militares estão indiciados, mas ainda não se descobriu ou se soube onde estão os ossos de Amarildo, tal como não se sabe onde estão os ossos do ex-deputado Rubens Paiva, do ex-jornalista Mário Alves e da ex-estudante universitária Isis Dias de Oliveira, mortos sob tortura nos porões dos Doi-Codi da vida. A ditadura torturou, matou e fez desaparecer os corpos de mais de 500 presos políticos.

Filmes, documentários, reportagens: há sobre a truculência da Polícia Militar do Rio de Janeiro um vasto e variado material, todo ele atestando, com clareza, o quanto a corporação está infiltrada de bandidos, delinquentes e assassinos. Claro, a PM do Rio de Janeiro não é uma exceção: todas as polícias militares dos estados brasileiros tem essa mesma característica, variando apenas a intensidade e os métodos. Vejam ou revejam os filmes Tropas de elite 1 e 2, de José Padilha, nos quais o submundo das polícias militares – e de sua articulação com traficantes, políticos corruptos e jornalistas desonestos – são mostrados com clareza em toda a sua dramaticidade.

Como resolver esta questão? A militarização da polícia é obra da ditadura, que resolveu, num dado momento, criar e treinar nos estados um braço armado capaz de fazer frente aos opositores do regime. Durante a ditadura, os governadores (eleitos pelas câmaras estaduais) não nomeavam os comandantes das PM: eles eram nomeados em Brasília, pelo Ministério do Exército. Durante a ditadura os comandantes das PM eram, sempre e não por acaso, generais do exército.

A democratização não alterou a fundo a estrutura viciada das PM estaduais. A militarização da polícia foi mantida, inclusive porque era necessário fazer frente ao narcotráfico, aboletados nos morros e favelas das cidades brasileiras. No Rio de Janeiro, a prática da PM subir os morros, invadir barracos, matar indiferentemente trabalhadores e traficantes, e praticar roubos e recolher propinas dos próprios traficantes, tornou-se prática comum. Todos sabiam e sabem disso. A violência e a morte de trabalhadores foram e são vendidas pela imprensa como azares naturais da luta contra o banditismo. Às vezes, os telejornais informam o número de mortos, mas nada dizem se eram trabalhadores ou narcotraficantes.

Tal como agora nas manifestações: a PM foi chamada para espancar manifestantes; coube a imprensa criar o medo através de reportagens sensacionalistas e da criação das figuras dos “vândalos”. A ideia de que “vândalos” estarão à solta faz com que milhares de possíveis manifestantes desistam de ir às ruas.

O que interessa a essa gente é a paz dos pântanos, uma sociedade formada de conformados e silenciosos, adornada de palavras de ordem que os próprios jornalistas e políticos (que as repetem) não sabem o que significa: cidadania, valores republicanos e democracia. O que essa gente deseja é uma espécie de “ditadura silenciosa”, na qual sofrem e apanham apenas aqueles que não sabem viver na democracia que sonega direitos e convive com a injustiça e o arbítrio. Uma democracia que se alimenta das informações dos telejornais, que dependem das verbas de propaganda dos governos. Uma democracia dos Renan, dos Sarney, dos Lobão, dos Vaccarezza, dos Lupi, dos novos e velhos companheiros, dos que traíram os ideais de justiça que, um dia, balizaram comportamentos.

Não temos hospitais decentes e limpos? Ora, vejam os nossos estádios, as novas “arenas”, onde jogarão os nossos craques! Não temos escolas e os professores ganham pouco (piso salarial: R$ 1451,00, cerca de 500 dólares ou 470 euros!) e são espancados? Ora, tenham a paciência: o futuro dinheiro do pré-sal virá em 20, 30 anos justamente para resolver esse problema! Problemas de infraestrutura (estradas, portos, energia)? Ora, estamos enfrentando problemas acumulados: como vamos resolver tudo isso em uma década? E por aí vai a lengalenga.

A foto abaixo foi tirada na Cinelândia. Ela diz tudo.
 

domingo, 20 de outubro de 2013

Repressão no Rio de Janeiro


 

Jornal do Velhote do Penedo

Domingo, 20 de outubro de 2013 - Número 11

Um jornal a serviço de ideias desabusadas

Arena das Dunas e prisão de professor

O Velhote do Penedo considera vital bater na tecla: o Brasil, aos poucos, e na medida em que fracassam os governos, vai se transformando num Estado policial. Isto porque as manifestações contra os governos vão recrudescer, na medida mesmo em que a incompetência, a corrupção e o descaramento vão tomando conta do país.


Li, outro dia, uma matéria sobre os hospitais de Natal, Rio Grande Norte. Gente morrendo nos corredores, falta de remédios, de maca, de equipamentos, sujeira. Um horror. No mesmo jornal, no caderno de esportes, lia-se uma matéria sobre as obras da “Arena das Dunas”, estádio moderníssimo que está sendo construído em Natal, que será uma das sedes da Copa do Mundo de 2014. A “Arena das Dunas” ficará pronta em dezembro, a um custo de mais de 600 milhões. Um belo estádio, cercado de favelas, miséria, desmazelo.


Vimos, semana passada, que a polícia militar do Rio de Janeiro ao reprimir as manifestações não mais se limita a tiros de bala de borracha, o que já seria muito. Vimos que a PM carioca está utilizando bala de verdade, daquelas que matam, tanto que pelo menos dois manifestantes foram feridos e internados em hospitais. Como se fazia na ditadura, manifestantes estão sendo presos e espancados – breve ouviremos notícias sobre torturas, aguardem.

“Tia” Dilma foi presa política, mas, hoje, só fala nisso quando pronuncia discursos demagógicos, pois se cala diante do que está ocorrendo no Rio de Janeiro. Dizem, inclusive, que “tia” Dilma tem a maior admiração pelo governador Sérgio Cabral, o “Serginho”.

O artigo abaixo saiu no Jornal do Brasil neste sábado, 19 de outubro. Leiam e meditem – e compartilhem os medos do Velho Professor do Penedo.

*****

Professor da Fiocruz preso na terça-feira é solto com outros 18 manifestantes


O professor da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP) da Fiocruz, Paulo Roberto de Araújo Bruno, preso arbitrariamente durante a manifestação do dia 15 de outubro, quando trabalhava em sua pesquisa sobre movimentos sociais no centro do Rio, foi solto nesta sexta-feira (18/10) após uma longa batalha de seus advogados. A mobilização para libertar o professor contou ainda com a ministra da Secretaria de Direitos Humanos, Maria do Rosário, o deputado Miro Teixeira, a presidente do Tribunal de Justiça do Rio, Leila Maria Mariano, e o secretário de Segurança do Rio, José Mariano Beltrame.

Segundo a Fiocruz, Paulo Roberto tem como um dos principais objetos de estudo a pesquisa de movimentos populares urbanos. Desde junho, vem recolhendo material de campo e fazendo registro fotográfico das manifestações no Rio de Janeiro. O professor atua também no campo da saúde coletiva e ambiental tanto em comunidades indígenas amazônicas como em favelas. Sua prisão foi feita junto com vários outros manifestantes de forma arbitrária, sem que ele tivesse envolvido em qualquer crime.

Paulo Roberto, no entanto, vai responder a processo por diversos delitos, entre eles, o de fazer parte de organização criminosa, nos termos Lei nº 12.850/2013, aprovada recentemente pela Assembleia Legislativa do Rio e considerada inconstitucional por vários juristas. "Essa não é mais uma luta de um pesquisador da Escola Nacional de Saúde Pública da Fiocruz, é uma luta de todos nós. Não podemos deixar que a polícia transforme em crime o direito do cidadão de se manifestar", afirmou o diretor da ENSP, Hermano Castro.

O professor foi liberado às 20h da prisão em Bangu, junto com outros 18 manifestantes, que haviam sido detidos na 37a. DP da Ilha do Governador na última terça-feira. No momento da saída da prisão, conhecidos e familiares de outros manifestantes tentaram impedir que a imprensa fotografasse os libertados, gerando um conflito e até agressão a fotógrafos. 

"Nenhuma mãe quer ver a foto do seu filho preso na capa do jornal como 'vândalo' que foi preso", ressaltava um dos que se manifestavam contra a cobertura da imprensa, que preferiu não se identificar. 

O processo para libertação teve início ainda na terça-feira. Eles conseguiram um alvará quinta-feira à noite, mas no documento constava a soltura da Casa de Custódia Patrícia Acioli, em São Gonçalo. Às 3h da madrugada desta sexta, no entanto, eles foram transferidos para o Pavilhão Bandeira Estampa, em Bangu. Os advogados dos presos iniciaram a corrida contra o tempo para conseguir um alvará no qual constasse a soltura de Bangu. Às 15h, o alvará foi obtido e os esforços intensificados para que os presos fossem libertados ainda sexta-feira. 

Para advogados e representantes dos acusados, a prisão dos manifestantes descumpriu uma série de formalidades legais. A informação de que os presos estavam em Bangu só chegou até eles no início da tarde e preocupou os envolvidos. A mãe de um dos presos, que preferiu não se identificar, chegou a passar mal durante a espera e ser encaminhada para um hospital. 

Isabel Lucena, mãe de Diego Lucena, ressaltou que seu filho havia ido à manifestação pela primeira vez. Diego cursa Propaganda e Marketing na ESPM e participou ao lado de sua mãe da Jornada Mundial da Juventude (JMJ), evento para o qual ela trabalhou como médica voluntária. Segundo seu advogado, que visitou Diego em Bangu pouco antes dele ser libertado, o mesmo não sofreu maus tratos enquanto esteve preso. 

Outros 30 presos, que foram detidos na 25a. DP, devem ser libertados sábado. De acordo com André Mendes, do Instituto de Desenvolvimento e Direitos Humanos (IDDH), eles foram acusados com base na nova lei de organizações criminosas. "Foram prisões arbitrárias. Analisando o inquérito, não há materialidade dos fatos. Essas pessoas foram pegas a esmo e acusadas de dano ao patrimônio e uma série de outras coisas", comentou.

O grupo de presos incluía pessoas como moradores de rua, professores, pesquisadores, cineastas e doutores. Eles foram acusados de participar de quadrilha armada, dano ao patrimônio, roubo, incêndio e corrupção de menores. 

quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Brasil, um Estado policial?


 

Jornal do Velhote do Penedo

Quinta-feira, 17 de outubro de 2013 - Número 10

Um jornal a serviço de ideias desabusadas

As privatizações do PT

O Velhote do Penedo tinha 21 anos quando os milicos (com o apoio de lideranças políticas civis, como Magalhães Pinto, Ademar de Barros, Ildo Meneghetti, entre outros) derrubaram o governo constitucional de João Goulart. A democratização chegou quando o Velhote soprava as 43 velinhas do bolo. Muito tempo. E não só isso: a geração do Velhote sofreu muito no período militar. Muitos foram assassinados, torturados e mutilados, outros tantos, devido ao mêdo (quem não tinha?) e ao sofrimento, ficaram marcados na alma. O Velhote é um deles, daí porque não pode ouvir falar em uso das forças armadas, polícia militar, serviços de informação – sem sentir uma espécie de angústia. Da mesma forma, o Velhote tem ânsias de vômito quando ex-apologistas ou apaniguados da ditadura surgem na TV ou nos jornais, falando em democracia, em direitos humanos, como José Sarney, Delfim Netto, Lobão, entre muitos outros.

O Velhote, portanto, fica angustiado quando ouve e vê a polícia militar (a militarização da polícia foi uma invenção da ditadura) esbordoando jovens, professores e transeuntes sob a alegação de que estes são “baderneiros” ou, como dizem a Rede Glogo e a GloboNews, “vândalos”. Agora, as autoridades ressuscitaram uma legislação de exceção, promulgada durante a ditadura, que prevê penas e medidas graves para os presos durante as manifestações. Os presos serão enquadrados numa legislação que estabelece penas de 8 a 12 anos de cadeia. Tudo isso conduzido por uma polícia militar corrupta, truculenta e despreparada. E finalizada por uma justiça severa para com os pobres e miseráveis - e complacente quando os réus são ricos e poderosos.

Afinal, vivemos ou não numa democracia? Por que apelar para uma legislação ditatorial para fazer frente às manifestações? Elas são perigosas assim? Recentemente, aos condenados pelo Mensalão foi dada a chance de um novo julgamento, não coincidentemente após “tia” Dilma ter indicado dois novos membros (liberais) para compor o plenário do STF. Diga-se que nenhum condenado do mensalão recebeu, por exemplo, pena que os obrigasse a devolver o roubado. Todo mundo no Brasil é contra a corrupção, mas parte desse “todo mundo” ficaria feliz se os mensaleiros fossem absolvidos.

Claro, esperava-se que o PT no governo fizesse reformas essenciais e tardias, que o país espera há décadas. Não fez: ao invés da reforma agrária, o PT aliou-se ao agronegócio. Ao invés de desfazer privatizações equivocadas e mal explicadas, está privatizando os portos, as rodovias e, agora, o pré-sal (ou parte dele). Semana que vem (21 de outubro de 2013), ocorrerá, no Rio, o leilão de Libra, o primeiro do pré-sal, sob o regime de partilha, metáfora criada pelo PT para se diferenciar das privatizações do PSDB. Partilha é privatização – e estamos conversados. A verdade é que o governo do PT descapitalizou a Petrobrás, que não tem condições de tocar o pré-sal.

Os petroleiros entraram em greve e estão apresentando recursos contra o leilão, ou seja, contra a privatização da Libra. O governo do PT, ou seja, “tia” Dilma tomou logo as providências cabíveis: com base na legislação herdada da ditadura, mobilizou o Exército (sim, o Exército), a PM, forças nacionais, a polícia civil para impedir que os petroleiros façam manifestações diante do hotel onde se realizará o leilão.

Depois das descabidas repressões das polícias militares em todos os estados brasileiros e, agora, diante dessa mobilização armada contra os petroleiros (e contra quem for contrário à privatização da Libra), percebe-se que, por obra e graça do PT e dos seus aliados, o Brasil está se transformando num Estado policial, onde o protesto leva à cadeia e à truculência de gorilas fardados.

 
Este jovem seria, hoje, chamado de "vândalo" por estar "sujando" um bem público ou privado.

terça-feira, 8 de outubro de 2013

As manifestações, novamente


 

Jornal do Velhote do Penedo

Terça-feira, 8 de outubro de 2013 - Número 9

Um jornal a serviço de ideias desabusadas

Sociedade desumana

O Velhote do Penedo, que curte alguns dias de paz em Salvador, viu ontem pela “máquina de fazer doido”, a TV, cenas dos confrontos entre manifestantes e polícias, no Rio e em São Paulo. Como de hábito, os comentaristas lesos da Rede Globo e da GloboNews jogaram a culpa dos acontecimentos exclusivamente sobre os “vândalos infiltrados”. Os comentaristas dos principais veículos de comunicação são incapazes de compreender o que se passa, o que está por trás de tudo isso: os jovens (os velhos também) perderam a crença nos políticos, na política e nas instituições – e tudo isso por culpa, inclusive, da própria mídia, que distorce os fatos, mente, engana e deturpa. Notem que a mídia não explica as reivindicações dos professores, apenas acentua que eles estão de greve, “prejudicando” as crianças, os pais, a vida. Os jovens estão enfrentando a polícia militar – uma polícia militar corrupta, que mata, que, em muitos casos, acoberta bandidos e traficantes.

Outro dia, um “intelectual” verberou na TV contra os “vândalos”, acusando-os de não ter nenhum ideologia, nenhum princípio político, nenhum objetivo consistente. Brigam, apenas. Quebram, apenas. Badernam, unicamente. O que esse “intelectual” não entende – e faz questão de não entender – é que os jovens são as maiores vítimas de uma sociedade distorcida, cruel e safada que nós todos ajudamos a criar e a manter. Raras são as críticas da mídia à polícia, mesmo quando se sabe como age a polícia. Por sinal: onde estão os ossos do Amarildo?

Vivemos numa sociedade e somos governados por autoridades e políticos que fazem estádios, mas são incapazes de enfrentar (e resolver) os problemas educacionais, de saúde, de transporte público, de bem-estar social. Aqui, em Salvador, o Metrô deveria ser inaugurado há 14 anos – e nada. Em compensação, a Nova Fonte Nova foi inaugurada em tempo recorde, para orgulho da CBF, do ministro dos Esportes e do governador petista.

Uma sociedade que excluiu milhões de jovens, que perambulam pelas ruas, sem rumo. Há algumas semanas o Velhote do Penedo esteve no Rio de Janeiro e cruzou, inadvertidamente, por uma “cracolândia” no centro velho da “cidade maravilhosa, cheia de encantos mil”. O Velhote morreu de pena, mas ao mesmo tempo teve medo do que viu. Um horror. E, naquele momento (era um sábado), onde estavam o Cabral e o Paes? O primeiro, provavelmente, estava no seu chalé na praia de Mangaratiba, para onde vai, com a família e o cãozinho de estimação, de helicóptero pago e mantido pelos contribuintes passar os fins de semana. Paes, certamente, estava nos belos restaurantes do Rio, gozando das delícias do poder e espancando, com o auxílio de guarda-costas, quem o vaia.

 Os jovens “vândalos” estão na rua protestando, a seu modo, contra tudo isso. Protestando contra uma justiça que manda soltar notórios corruptos, como os envolvidos na chamada Operação Miqueias, que lesou ostensivamente o grana que todos nós, via impostos, damos ao governo para melhorar a sociedade; uma justiça que não prende os envolvidos  no Mensalão; que dificulta a apuração e a punição de criminosos e ladrões. São jovens que estão protestando contra os políticos, contra as autoridades, contra uma sociedade corrupta, desigual e tacanha que vivemos. A Globo e a GloboNews querem a paz dos pântanos e os “vândalos” querem, em última instância, abalar a sociedade – pois, talvez assim, ela mude.

O Velhote do Penedo é, como se dizia antigamente, um amante da paz, inclusive porque não tem mais idade para encarar a polícia. Fiz isso no tempo da ditadura, época em que apanhou muito. É de doer verificar que inúmeros “aliados dos milicos” estão por aí, inclusive dentro do governo do PT, e “filhotes da ditadura” mandam e desmandam no país, e só abrem a boca para falar em democracia e direitos humanos, como se eles soubessem o que é isso. Eles, logo eles, Santo Deus, que apoiaram o regime que matava, torturava e perseguia quem não fazia continência.

sexta-feira, 4 de outubro de 2013


As loiras de Brasília

 

Jornal do Velhote do Penedo

Sexta-feira, 4 de outubro de 2013 - Número 8

Um jornal a serviço de ideias desabusadas

Gangue das meninas

O Velhote do Penedo não tem por hábito frequentar o Congresso Nacional. Suas eventuais idas – reitero: raras - ao Parlamento brasileiro limitam-se às bibliotecas (realmente excelentes) das duas casas. Não vou a gabinetes de parlamentares, há anos não subo às galerias (um saco!), não frequento cafezinhos e lanchonetes. Tampouco fico zanzando pelos corredores. Fico, porém, abismado com o número de pessoas que transitam nas duas casas – e mais abismado fico com os tipos humanos que vagam pelos corredores. Já esbarrei por lá com grupos indígenas, estudantes, sindicalistas, membros do MST e do Hare Krishina. Além, é claro, dos indefectíveis sujeitos de terno preto, camisa branca e gravata vermelha. São os assessores e os lobistas.

Nas poucas vezes que estive no Congresso Nacional e nas raríssimas vezes que cruzei seus corredores, notei sempre a presença de figuras femininas, quase todas vestidas do mesmo modo: saias mínimas, sapatos com saltos altíssimos, decotes – e, além das bolsas,  uma indefectível “pastinha”, onde, conforme se sabe, guardam os segredos de seus “passeios” pelo Congresso. Em geral, são loiras, penteadíssimas e tão pintadas que mais parecem bonecas de porcelana. Não fazem o tipo do Velhote do Penedo, razão pela qual não vou elogiá-las.

Descobriu-se agora a função primordial dessas jovens: chamar a atenção de congressistas e, mediante argumentos “dengosos”, convencê-los a incluir sua assinatura (dos congressistas) em listas de apoio a projetos de lei. Diante daquelas loiras, raros são os congressistas e prefeitos que se dão ao trabalho de ler o que estão ou vão assinar. Assinam de olhos fechados, ou melhor, de olhos postos nos decotes “peitorais” ou nas pernocas das “loiras”.

Na verdade, as loiras fazem parte de um esquema de corrupção, que envolve parlamentares, lobistas, gente encastelada nos ministérios e prefeitos. Um esquema que garante a transferência para os bolsos de espertalhões de milhões de reais públicos, que pretensamente deveriam ser usados em municípios.

Sejamos objetivos: as loiras cumprem uma função, a de seduzir políticos, prefeitos e altos funcionários, de modo que projetos aprovados (vocês viram como) no Congresso, se transformem em transferências de recursos aos municípios, garantindo, de passagem, uma grana preta (comissões) a todos os envolvidos, mormente empreiteiros e políticos e servidores públicos corruptos. Dizem que uma loira tinha (e tem) um lema: “Nascer pobre é destino, mas morrer pobre é burrice”. Para não chamada de burra, a loira transformou-se numa caftina corrupta.

Um funcionário do Congresso contou ao Velhote que as aliciadoras carregam em suas “pastinhas” álbuns de fotografias de meninas, que o parlamentar pode “escolher” em troca de uma assinatura de apoio a um determinado projeto de lei ou, mesmo, de um voto em plenário a um projeto em votação. Claro, às vezes, além de uma menina, corre também alguma “grana”, que serve para lubrificar o trâmite da proposta. O citado funcionário me disse ainda que este “enredo” é montado e financiado por lobistas – estes, sim, verdadeiramente interessados na aprovação de um projeto, de um financiamento.

Tal cenário, que envolve, além de loiras, parlamentares, servidores públicos e lobistas, implica em mídia, que doura a pílula de projetos indefensáveis, elogia cidadãos que não valem o chão que pisa e encobrem a história toda.

Ao contrário do que acontece nos Estados Unidos, a literatura e o cinema brasileiros jamais exploraram tal filão, com a exceção talvez do filme Brasília 18%, de Nelson Pereira dos Santos, de 2006. O Velhote do Penedo tem a certeza de que os bastidores do poder brasileiros forneceria material para muitos livros (literatura e reportagens) e filmes. A pequena tampa que a polícia federal abriu nas últimas semana evidencia o alcance da rede de corrupção da gangue das “loiras”.

*****

- Notas bem brasileiras -

1 – Um certo Blog da Dilma (tenho certeza que “tia” Dilma jamais faria isso) publicou, na semana passada, na internet, após o Supremo Tribunal Federal acatar os chamados e medievais embargos infringentes, uma fotomontagem racista em que o presidente do STF, Joaquim Barbosa, aparece ao lado de um chimpanzé, com a seguinte legenda: “Ainda vai Barbosinha? Kkkkk...” O racismo é uma lepra (entre outras) que queima o organismo da sociedade brasileiro. Não sei quem a publicou, não sei se a Polícia Federal está atrás de tal energúmeno, não vi nenhuma autoridade vir a público e denunciar esta demonstração de racismo explícito. A verdade é que o brasileiro médio (alguns petistas, inclusive) jamais aceitará que um afrodescendente condene um sujeito louro como o José Dirceu. Jamais. Alguns são mais sutis – e transformam o racismo numa pretensa reação ideológica. Argumentos do tipo: “Não gosto do Joaquim Barbosa. Não porque ele é preto, claro, mas porque ele é de direita”. Quem ainda não ouviu isso?

2 – Enquanto a Rede Globo e a GloboNews, através de seus repórteres, comentaristas e locutores, insistem em chamar os manifestantes de “vândalos”, o jornal O Globo publicou, hoje, 4 de outubro, matéria mostrando a truculência da Polícia Militar do Rio de Janeiro (espancamento e uso de spray de pimenta contra professores e transeuntes). Diz a matéria: “O major Pinto, lotado no 5º BPM (Praça da Harmonia), aparece em vídeo feito pela equipe de multimídia de O Globo dando voz de prisão a um jovem depois que seu colega, o tenente Andrade, do 20º BPM (Mesquita), joga um morteiro no chão, atribuindo ao rapaz a posse do artefato”. Precisa dizer algo mais – ou apenas lamentar a idiotia dos comentaristas, repórteres e locutores da Rede Globo e da GloboNews?

3 – Como era de se esperar, o Tribunal Superior Eleitoral recusou o registro da Rede Sustentabilidade, partido político encabeçado pela ex-senadora Maria Silva, facilitando a reeleição da “tia” Dilma.