O Velhote do Penedo

O Velhote do Penedo
O Velho Professor do Penedo em plena labuta! Vida difícil, esta!

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

De novo, a Transposição do Velho Chico.
Todos sabem que o velho professor do Penedo é visceralmente contra a chamada Transposição do Rio São Francisco, obra que o governo petista resolver executar como um prêmio os latifundiários nordestinos, inclusive aqueles que produzem camarão para exportação.
Trata-se de uma obra que poderá - de quebra - produzir um desastre ambiental semelhante ao que ocorreu no Mar de Aral, após a transposição dos rios Syr Darya e Amu Darya que formavam o imenso lago. O governo mente quando afirma que a transposição visa garantir água (de beber) para o povo pobre do Nordeste. O velho professor do Penedo já publicou neste Blog matéria a respeito.
O Mar de Aral era o 4º maior lago do planeta e ocupava uma área de 68.000 quilômetros quadrados. O volume da água atingia a 1.100 quilômetros cúbicos. Uma enormidade. Hoje, o Mar de Aral é um laguinho mixuruca e salgado: possui menos de 10% da área primitiva.
Tenho um amigo – tecnocrata e equivocado, mas bom sujeito – que, um dia, me falou do Rio São Francisco com ar tão doutoral que eu me espantei, pois ele jamais estivera na região. Mas os tecnocratas são assim mesmo: acreditam que suas soluções, que supostamente são baseadas na última palavra da técnica, resolvem tudo.
Os burocratas soviéticos, que bolaram a transposição dos rios que formavam o Mar de Aral, também tinham certeza de que tudo ia dar certo, como não? Afinal, eles dominavam as técnicas – e as técnicas são tudo.
O artigo abaixo, da autoria de Roberto Malvezzi deve ser lido.


Decomposição da Transposição

Não foi por falta de alerta da sociedade, de protestos, até de greves de fome. A Transposição (do Rio São Francisco) sempre foi tida como absurda, mesmo que fosse concluída, porque atenderia muito mais aos grandes interesses que a sede das populações necessitadas.
Agora, anos depois de iniciada, vai comprovando uma por uma todas as preocupações da sociedade: já devorou 3,5 bilhões de reais, precisa de mais 1,8 bilhão em aditivos, obras paralisadas, decomposição das obras já realizadas, péssima indenização das comunidades (até 160,00 reais para uma velha senhora), rachaduras nas casas das comunidades próximas por explosões de dinamites, emprego temporário e problemas permanentes, desfazimento dos consórcios, novas licitações, uma ladainha sem fim de problemas.
Mas a Articulação do São Francisco Vivo não se ilude, isto é, o governo vai voltar. Agora, a prioridade são as obras da Copa, os aeroportos, estádios e metrôs. A sociedade civil estima em mais de 600 mil pessoas realocadas por tais obras. Parece que o Brasil calculou mal, não tem pernas para enfrentar decentemente tantas iniciativas. Pior, as empreiteiras, acostumadas a esse jogo de subornos, aditivos, recontratações, estão podendo optar por onde podem ganhar mais do que nunca.
O pior na Transposição ainda está por vir, isto é, se um dia essa obra for concluída, o povo vai ver que a água que corre pelos canais não era para ele. Vão ver canais enormes cercados por arame farpado, guardas motorizados impedindo o acesso das populações, ainda que seja para roubar um balde de água. Aí a crueldade do processo mostrará todas as suas evidências.
Por outro lado, o que precisa ser feito não está sendo feito, ou está sendo mal feito. A presidente Dilma, agora para favorecer seu ministro da Integração, Fernando Coelho, permitiu que a Codevasf (Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e Parnaíba) implante cisternas de plástico no lugar das cisternas de placas. As adutoras do Atlas do Nordeste não estão sendo feitas, ou apenas algumas, e milhares de municípios nordestinos poderão entrar em colapso de água até 2025, como prevê a Agência Nacional de Águas (ANA) em seu Atlas do Nordeste.
Por isso, nos diferenciamos mais uma vez da grande mídia nacional e da oposição de direita no Brasil. Mantemos nossa posição original. Não estamos interessados na continuidade da Transposição, mas na aplicação desses recursos no que deve ser feito, priorizando as populações efetivamente necessitadas. A grande mídia se entende com as empreiteiras, que se entendem com o governo. Nessa equação, povo nordestino continua de fora.
A decomposição da Transposição fala por si mesma.
 Roberto Malvezzi é agente pastoral, membro da CPT (Comissão Pastoral da Terra) e da Aliança para o Semiárido (ASA).

*****

Os grandes da MPB (9)

Angenor de Oliveira, o Cartola, nasceu no Rio de Janeiro, em 11 de outubro de 1908. Morreu no Rio, em 30 de novembro de 1980. Ele canta a música "Corra e olhe o céu".




Nenhum comentário:

Postar um comentário