O Velhote do Penedo

O Velhote do Penedo
O Velho Professor do Penedo em plena labuta! Vida difícil, esta!

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

As elites e os idiotas querem violência policial


 
Jornal do Velhote do Penedo

Segunda-feira, 27 de janeiro de 2014 – Nº 19.

Um jornal a serviço de ideias desabusadas

Brasil, ah, meu Brasil!

Numa rua de São Paulo, três meganhas perseguem um estudante de 23 anos. De repente, o estudante para, os milicos o cercam, brigam e um dos representantes da lei e da ordem dá, quase à queima-roupa, três tiros no estudante. Na TV, cercado de assessores, surge o governador Alckmin, ilustre representante no Brasil da Opus Dei, conhecida organização internacional (com sede em Madrid) de extrema-direita, e nos informa que cabe à polícia zelar pela segurança e pelo patrimônio público e privado. Sobre o estudante baleado, o governador diz que as imagens da violência (captadas por câmeras) serão devidamente analisadas e, caso tenha havido truculência policial, medidas serão tomadas. Cinismo e política se misturam no Brasil - e o produto dessa mistura é a violência dos meganhas.

Notaram que o governador de São Paulo usou a ressalva “caso tenha havido truculência”? Ou seja, para Geraldo Alckmin cenas em que três milicos cercam, batem e dão três tiros à queima roupa não caracterizam, em si, um “caso de truculência”. Há dúvidas que precisam ser esclarecidas.

Se o estudante fosse filho do governador, ou filho do irmão do governador, ou filho do financiador da campanha política do governador, ou filho de um figurão do PSDB, partido ao qual pertence o governador – certamente Alckmin faria o certo: mandaria prender os três milicos por agressão e tentativa de assassinato.

O estudante foi internado, operado e permanece no hospital, sedado e em estado grave. Os três milicos estão soltos – e prontos para agredir e atirar noutros estudantes.

A revista “Caros amigos” lançou, mês passado, número especial sobre a violência policial. São dez artigos (reportagens) e uma entrevista, esta com o tenente-coronel da reserva Adilson Paes de Souza, que relata a falta de formação adequada em direitos humanos e as dificuldades para melhorar a polícia militar.

Na verdade, a existência de uma polícia militar, tal e qual um pequeno exército estadual, voltado para a repressão generalizada, é na democracia um contrassenso. As unidades estaduais da PM foram criadas na ditadura, com a função de reprimir, violentar, agredir e  torturar os que lutavam com o autoritarismo. Estes eram chamados de terroristas, como hoje os que protestam e exigem uma sociedade decente e melhor são chamados de vândalos. Os vândalos só agridem, só quebram depois – depois! – que a polícia chega batendo, jogando bombas e espargindo spray de pimenta. Um dia, eles vão chegar atirando, como fizeram em 1968 no Calabouço, matando o estudante Edson Luiz.

Ao ler os artigos de “Caros amigos”, confesso que fiquei assustado. Pois fica claro que à medida que as manifestações crescerem (e elas vão crescer, com a aproximação da Copa), a repressão policial e os abusos vão recrudescer.

A violência policial é uma afronta à democracia.

Não esqueçamos: ano passado, quase uma centena de brasileiros desapareceram após serem presos. Um deles foi o Amarildo, lembram dele?
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário