Por do sol em Penedo

Por do sol em Penedo

segunda-feira, 5 de setembro de 2016

"Diretas já", não! "Constituinte já", sim!


Recebi inúmeras mensagens sobre as manifestações “fora Temer”. Não vi nenhuma manifestação “volta Dilma”. Mas isto é um detalhe. Os manifestantes são equivocados, mas não são loucos.

Vi candidatos a prefeito e vereador em meio ao povo, como o patético Suplicy, que, para não passar em branco, teve a carteira batida. Deve ter concluído que o punguista que levou os seus caraminguás deve ser um fascista disfarçado. O fato é que Suplicy sempre faz das suas: desde deitar-se no chão e sair carregado como se fosse (ele próprio) um ataúde, como ser tungado em meio a uma garotada que não estuda, não pensa e não sabe o que diz - cujos palpites são sempre infelizes. Sou um permanente saudoso de Noel. Desculpem.

Muitos amigos que sinceramente respeito e admiro, admitem que esse é o momento exato de pedir “diretas já”. Impossível. Nenhum dos três grandes partidos – PT, PSDB e PMDB – por razões diversas vão defender esta causa. O PT saiu do episódio do impeachment muito queimado e foi levado à UTI, onde lambe suas feridas, que são muitas. O PT, que levará uma tunda nas próximas eleições, sabe que perderia qualquer corrida presidencial, cabendo-lhe papel subsidiário no processo. PSDB tem uns cinco possíveis candidatos – e a defesa de eleições diretas produziria o esfacelamento do partido, que, pior ainda, não tem uma ideia clara do que faria na presidência. O PMDB é, hoje, o menos interessado nessa história de “diretas, já”. Como dizia brincando o meu velho mestre Manuel Maurício, as “tais massas” não teriam condições de levar o processo sem os partidos.

A versão 1983-1984 (das Diretas já) aconteceu numa conjuntura muito própria: todos os partidos, da direita à esquerda estavam unidos, governadores de estados vitais, como Brizola, Tancredo e Montoro, se engajaram, lideranças como Covas, Ulisses, Richa, entre outros, lideranças e nomes civis (Sobral Pinto, Faoro) estavam à frente do movimento. Teríamos, nos dias atuais, gente desse quilate? Comparem: o governador do Rio de Janeiro, além de gagá, mal consegue pagar os funcionários; o de Minas vive acuado pelo Lava Jato; o de São Paulo, bem, é uma lástima. O inimigo era um só, as eleições indiretas e o estertor da ditadura, o que facilitou a união dos partidos.

Claro, o Brasil está num beco sem saída. Comparo o legado petista à destruição da Síria. Agora mesmo vi que a Polícia Federal desencadeou uma operação contra fraudes nos quatro maiores fundos de pensão. Por isso, acho, no mínimo, curioso um conhecido meu me informar que o governo Temer é corrupto. Acho que esse amigo meu, que admiro, está sofrendo de demência senil, pois alterna risos, frases desconexas e raciocínios claros. A confusão mental é grave – e em geral desemboca no uivo final. Bem verdade que ninguém está livre disso. Mas isto é outra história.

Melhor que “Diretas já” talvez fosse melhor defender “Constituinte já”, além de mudanças de uma legislação superada, contraditória e equivocada. A mobilização tinha que ser nesse sentido, estabelecendo novas e modernas regras e leis voltadas para a vida política brasileira, cujos escombros são visíveis. A pressão popular tem que ser nesse sentido, embora as dificuldades sejam muitas e grandes.

Nota necessária:

Ouvi, gravei e transcrevo as palavras de uma militante petista, muito bonitinha (desculpe o escorregão machista): “Luto contra a direita porque sou de esquerda. Eles não são como a gente, porque nós somos de esquerda e eles são de direita. Somos de esquerda porque lutamos ao lado do povo. Eles odeiam o povo. Nós amamos o povo”. Tal ideário faria Lindenberg chorar de emoção. Eu, na idade da menina, militava na Polop, participava de grupos de estudo da obra de Marx – e já tinha lido obras máximas da literatura mundial e brasileira. Digo isto não para me valorizar, nem para desvalorizar a jovem, mas para dizer a todos que o meu lema de vida veio de uma música do Paulinho da Viola, com quem – criança - joguei pelada nas ruas Fernando Guimarães: “a vida não é só isso que se vê – é um pouco mais”. Esse pouco mais é o que falta à maioria dos manifestantes petistas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário