O Velhote do Penedo

O Velhote do Penedo
O Velho Professor do Penedo em plena labuta! Vida difícil, esta!

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Criminalidade e crise civilizatória


Vi pela TV cenas de criminalidade e terror nas ruas de Vitória e municípios vizinhos. Policiais militar e civil estão em greve: querem aumento, o que é justo, mas inviável em face da crise em que estamos submersos. A bandidagem (e não só a bandidagem: vi um casal carregando um sofá) aproveitou – houve arrastões, destruição de lojas, saques, invasão de residências, tiroteios, queima de ônibus e carros, um horror que obrigou os cidadãos a se trancarem em casa, o que não impediu que 80 pessoas fossem assassinadas. Em meio a tudo isso, ocorreu uma tentativa de linchamento de um ladrão - o que é algo tão inaceitável quanto as ocorrências citadas.

Ao ver tais cenas, lembrei-me de um filme – não é grande coisa, mas pode ser visto - chamado “Warriors: os selvagens da noite”, de Walter Hill. A história, em si, não é lá grande coisa: as gangues de Nova York perseguem, durante uma noite inteira, uma tribo de Coney Island (os Warriors), injustamente acusada de matar o líder de uma gangue rival e bem mais poderosa. O episódio ocorreu durante uma espécie de comício no Central Park, onde estavam reunidos nove membros de todas as gangues de Nova York para ouvir uma proposta de um sujeito (o tal que seria assassinado durante seu discurso), que todos os elementos de todas as gangues, mesmo rivais, respeitavam.

O líder convocou a reunião para fazer uma proposta: a união de todas as gangues, o que faria a “nova organização” se tornar mais poderosa que a força policial da cidade, na proporção de cinco meliantes contra um policial. “A cidade seria nossa, caras, ninguém faria nada sem a nossa permissão” - profetizou. Foi ovacionado – e, em meio à euforia dos presentes, que pareciam aprovar a ideia, o líder foi alvejado e morto por um tiro dado por um psicótico, que acusou os Warriors de serem os responsáveis pelo disparo. No tumulto, os Warriors conseguem fugir – e a perseguição e o filme propriamente dito têm início.

É certo que a união entre facções criminosas, que dominam espaços e negócios, é sempre improvável, mas não é impossível, embora a carga de ódio entre elas seja um elemento difícil de ser superado. Poder (econômico e político) não se divide, mas, em certas circunstâncias, a unidade entre facções torna-se necessária e mesmo imprescindível. A aliança entre o Comando Vermelho e a Família do Norte (em luta contra o Primeiro Comando da Capital) é exemplo disso.

O instinto de sobrevivência e a busca de força exigem a união de facções antes rivais ou inimigas. Diante da força policial, a dispersão da bandidagem em facções rivais apenas as enfraquece, levando-as a derrotas contínuas e poucas vitórias. Essa era a mensagem do líder diante de representantes das gangues nova-iorquinas.

 Agora, imaginem, por hipótese, uma aliança entre o Primeiro Comando da Capital (PCC), Comando Vermelho (CV), Família do Norte (FDN), Amigos dos Amigos (ADA), Primeiro Grupo Catarinense (PGC), Sindicato do Crime (SDC – Rio Grande do Norte), Bonde dos 40 (Maranhão), Okaida (Paraíba) entre outras organizações criminosas espalhadas pelo Brasil, que dominam o mercado das drogas e armas. Imaginem se elas resolvessem atuar em conjunto, pondo fim, mesmo temporariamente, à rivalidade e guerra entre elas.

O PCC, por exemplo, está presente em todos os estados brasileiros e faz negócios na Bolívia, Colômbia, Argentina, Venezuela, Paraguai, Peru, Chile e Guiana Francesa. Se fosse uma empresa (não é empresa, mas é um negócio capitalista, regido pela lei do valor), o PCC teria a envergadura de uma multinacional. As estimativas informam que só a citada facção fatura mais de R$ 200 milhões por ano. O tráfico de drogas no Brasil, segundo a revista Época, movimenta bilhões de reais anualmente.

O CV controla o crime no Rio de Janeiro – e possui braços nas regiões Norte e Nordeste e bases no Paraguai, na Colômbia, Bolívia, no Peru e na Venezuela. A FDN é aliada do CV e as duas dominam a rota de tráfico de drogas pelo Rio Solimões, oriundas da tríplice fronteira Brasil-Peru-Colômbia, em Tabatinga. Em Manaus, as pichações em muros indicam a aliança: “FDN-CV”.

Depois dos acontecimentos nas penitenciárias de Manaus, Bela Vista e Natal, muito se tem publicado a respeito da violência e segurança no Brasil. As interpretações variam - o que talvez seja um sintoma de que estamos longe de entender a questão em sua totalidade. E olha que estamos falando apenas do mercado de drogas e contrabando de armas. Ontem, li uma reportagem sobre tráfico internacional de animais silvestres: só no Brasil, o giro anual desse negócio supera os nove bilhões de reais. Animais silvestres brasileiros são enviados para os grandes mercados mundiais: Europa, Estados Unidos e Japão. E o comércio de pessoas, mulheres e crianças que são levados para os mercados de prostituição europeu e americano? A criminalidade em escala mundial é um fenômeno que dá a ideia exata da crise civilizatória do planeta. Crise sem solução, diga-se.

Aos meus amigos sugiro a leitura de quatro livros essenciais: “Mac Máfia: crime sem fronteiras”, “O dono do morro: um homem e a batalha pelo Rio”, ambos de Misha Glenny; “Os senhores do crime: as novas máfias contra a democracia”, de Jean Ziegler; “Violência”, de Slavoj Zizek.

Nenhum comentário:

Postar um comentário